Eu bem que queria sair para pedalar hoje…

Imagem | Publicado em por | Deixe um comentário

Vélib, sistema de aluguel de bicicletas em Paris – França

Faz algum tempo estou acompanhando alguns sites de roteiros de viagens, dicas, etc. e em um deles há uma grande discussão sobre o funcionamento do Vélib, sistema de aluguel de bicicletas em Paris – França.

Bem, com o Vélib tu podes alugar bicicletas, como a dessa foto que eu tirei em uma rua transversal a famosa Champs-Élysées, e rodar por Paris a fora. E vale lembrar que nos sistemas de trens urbanos e metrô você também pode embarcar com uma bicicleta (em qualquer dia da semana e em qualquer horário). Não faz muito sentido tu perder tempo de aluguel carregando a bike no metrô, já que há sempre uma estação do Vélib perto de você (a campanha do Vélib diz que há uma estação a cada 300m em Paris).

Bicicletas na estação do programa de aluguel de bicicletas Vélib de Paris

Bicicletas na estação do programa de aluguel de bicicletas Vélib de Paris

Bem, se há ou não uma estação do Vélib a cada 300 metros em Paris eu não sei, mas não parecem serem poucas as estações :)

Estações do programa de aluguel de bicicletas Vélib de Paris

Estações do programa de aluguel de bicicletas Vélib de Paris

Mas afinal de contas, como é que funciona o Vélib de Paris?

Primeiro você tem que se inscrever no programa de aluguel de bicicletas Vélib, pelo totem ou pelo site. Isso tem um custo de 1.70€ o dia ou 8.00€ 7 dias e irá, no totem, gerar um cartão com seu número de associado, pela web o número é gerado e você pode imprimir (vai para o seu e-mail também). Nesse momento você também já criou uma senha numérica de 4 dígitos. Vale lembrar que pelo site você pode agendar para uma data futura o início da validade da sua assinatura, pelo totem começa a valer na hora.

Aqui vem a confusão das pessoas. Quer dizer que irá me custar menos de 2.00€ um dia de aluguel da bicicleta em Paris? Não! O direito de poder alugá-la, ou seja, sua associação ao programa custa menos de 2.00€ por dia, o aluguel em si terá outro preço, que vou explicar aqui.

Você vai a uma das estações do Vélib, confere se a bicicleta que você escolheu está ok (se os pneus estão calibrados, se os pedais, paralamas, faróis, cestinha, selim, etc não estão quebrados) e então vai ao totem fazer a liberação dessa bicicleta pelo número dela.
Neste momento tu irás usar o teu número de associado e a tua senha. E não se espante, o teu cartão de crédito também!
Isso porque será feito uma calção de 150.00€ no seu cartão de crédito internacional (com chip!). Então quando você devolver a bicicleta será cobrado somente o valor do período em que você ficou com a bicicleta e estornado essa valor de calção.
Aí vem a pegadinha do malandro. Muita gente relata que não teve esse valor estornado e “perdeu” 150.00€. Pode ser que demore a estornar, mais de um dia, mas normalmente é feito. De qualquer maneira ao entregar a bicicleta é impresso um comprovante da transação onde é demonstrado o valor utilizado e pago, o tempo de utilização do serviço, etc. Pegue esse comprovante e guarde consigo até o estorno ser feito, pois se houver qualquer problema, é com esse comprovante que você irá tentar reaver seu rico dinheirinho ;)

Enfim, mas e as tarifas do Vélib de Paris?

Você já sabe que pagou, pelo menos, 1.70€ pelo direito de locar uma bicicleta durante o período de um dia ou 8.00€ para que esse direito/tua associação ao sistema Vélib dure 8 dias. Agora a cada vez que você retirar uma bicicleta em uma das estações do Vélib o taxímetro liga parceiro, e as tarifas são essas:

Até 30 minutos (a primeira meia hora) com a bicicleta, é grátis!
A segunda meia hora custará 1.00€.
A terceira meia hora custará 2.00€.
E a partir da quarta meia hora, as demais custarão 4.00€ cada!

Calma. Você não entendeu errado, vamos aos cenários:

Você pegou a bicicleta ao descer do metrô na estação Franklin D. Roosevelt e a devolveu na estação Charles de Gaulle – Étoile (nos arcos). Pedalou 19 minutos e devolveu a bicicleta. Ok, foi grátis amigo. Obrigado por escolher Paris como destino das suas férias!

Você pegou uma bicicleta e devolveu ela em 45 minutos. Os 30 primeiros minutos foram grátis, pelos 15 minutos seguintes você pagou pela segunda meia hora inteira, ou seja, o passeio custou 1.00€.

Você pegou uma bicicleta e devolveu ela em 1 hora e 10 minutos. Os 30 primeiros minutos foram grátis, a segunda meia hora custou 1.00€ e a terceira meia hora custou 2.00€. O passeio custou 3.00€.

A coisa fica pesada mesmo (para nós que pagamos 3x o valor do aluguel na conversão cambial) quando você fica mais de 2 horas com a bicicleta, pois cada meia hora seguinte custará 4.00€. Por exemplo, 2 horas e 5 minutos vão custar 11.00€, se tu ficares 2 horas e 31 minutos vais pagar 15.00€. Aí fica mais barato tu entrares em uma loja e compra uma bike para usar 1 semana!

A moral da história é, troque de bicicleta em até 1 hora e 50 minutos (para dar com folga, pois não será só você utilizando o serviço do Vélib, pode haver fila na estação para a devolução) e pagará 7.00€ cada período de até 1h59min. Mas pelo amor de Deus, não façam a “brasileirisse” de ficar trocando de bicicleta a casa 29 minutos para não pagar o aluguel da bike, pois o tempo que tu irás perdendo e a paranóia que isso causará não valem os poucos Euros que você irá pagar por um serviço tão bom. Já vi gente em blogs de viagem falando para as pessoas fazerem isso.

Vai uma tabelinha de preços para quem quiser a:

De 0min até 29min: Grátis
De 0m até 59m: 1.00€
De 0m até 1h29m: 3.00€
De 0m até 1h59m: 7.00€
De 0m até 2h29m: 11.00€
De 0m até 2h59m: 15.00€
De 0m até 3h29m: 19.00€
De 0m até 3h59m: 23.00€

Bon voyage!

Publicado em dicas | Marcado com , , | Deixe um comentário

Artista cria animações em rodas de bicicletas usando papel

Incrível!

Publicado em bom de ver | Marcado com , | Deixe um comentário

Circuito Pedalar 2013 – Rio de Janeiro, eu fui!

Circuito Pedalar 2013 - Rio de Janeiro

Circuito Pedalar 2013 – Rio de Janeiro

Ontem foi dia do Circuito Pedalar 2013 na cidade do Rio de Janeiro.
A atividade é um passeio ciclístico pelo Aterro do Flamengo com mais ou menos 8km de percurso e contou com carro de som, sorteios, oficina para as bikes, etc. Também foi “comemorado” o dia mundial sem carro.

Sobre o evento

Eu estou acostumado a levar minhas filhas a eventos de atletismo, e nestes, por mais que sejam gratuitos, a infra-estruturar, de longe, é melhor. Por exemplo, ontem estavam previstos 3 pontos de distribuição de água, mas na verdade só havia um e foi no termino do percurso. Não havia uma tenta se quer distribuindo alguma fruta ou que fosse para os atletas que ficaram reféns dos ambulantes e a escrota prática do “se tem esse movimento todo vou vender ao preço que eu quiser” e aí já viu né, aquela água que nos finais de semana normais custa entre 2 e 3 Reais ontem estava de 3 a 5 Reais! Não queiram saber o preço do resto como picolés, sanduíches, água de coco, etc.

Outro ponto que achei falho foi não ter ciclistas da organização espalhados pelo “pelotão” do passeio. Isso deu margem a uma galera que estava procurando seus 10s de fama fazendo estrepolias e colocando em risco todos os demais que estavam curtindo o pedal. E olha que havia muitas crianças pedalando suas possantes bikes e que além de nossa admiração mereciam nosso respeito, coisa que essa galera não estava demonstrando.

O dia mundial sem carro

O dia mundial sem carro começou a ser comemorado, digamos assim, em 1997 na França e foi ganhando cada vez mais cidades adeptas pelo mundo a fora. Em 2003 foi a vez do Brasil entrar nessa e desde então temos todos os anos a comemoração deste dia em várias cidades brasileiras como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, etc. O dia mundial sem carros visa a reflexão sobre a dependência que temos do transporte a motor, e na maioria das vezes individual, impacto ambiental, etc.

Marque no seu calendário para ano que vem estar lá e fazer parte dessa festa ;)

Publicado em bom de ver, dicas | Deixe um comentário

Ninguém reporta um roubo de bike

Essa série de matérias do programa Fantástico da Rede Globo sobre como as pessoas reagem a certas circunstâncias é muito mais manjado do que se imagina. A prova disso é que o YouTube está recheado de vídeos mostrando isso.

Este é mais um exemplo disto. Um vídeo onde o cara simula roubar uma bicicleta e ninguém faz nada a respeito.

Vale a pena assistir.

Vídeo | Publicado em por | Marcado com , , | Deixe um comentário

Final de semana de muito ciclismo

Sábado aquela pedalada de lei em estrada (mas com bike de montain, ainda) com um amigo que foi recentemente contaminado com o vírus do ciclismo ;-). Eis que na parada em um posto de gasolina antes de voltarmos apareceu um ciclista perguntando se tínhamos uma chave allen para emprestar a ele, e eu sempre carrego na minha mochila:

  • 2 Câmaras 26”x1.5”;
  • Remendos;
  • Cola;
  • Lixa;
  • Espátulas para tirar pneu;
  • Presilhas plásticas (dessas utilizadas para prender fios);
  • 2 cabos de câmbio/freio (cabos de freio são mais grossos, mas no apocalipse total, um cabo de câmbio quebra o galho);
  • Bomba para encher pneu;
  • Canivete de chaves allen;
  • Carbo gels.

Então ele chamou a galera que estava pedalando com ele para voltarem todos ao posto onde poderiam consertar uma bike que estava com o cabo do câmbio traseiro partido.

Por uma sorte imensa esse grupo nos achou e tínhamos tudo que eles precisavam para arrumar uma das bikes deles e o pelotão (estavam de speed) pode prosseguir.
Essa galera pedala sempre por ali, e concentram na rua onde eu moro depois dos pedais. Foi mais uma oportunidade de interagir com essa galera com quem um dia, quem sabe, eu pedalarei de speed

Na volta para casa meu pneu furou. Logo o dianteiro, e resolveu arriar em uma curva quase me derrubando. Parei em um posto de gasolina 20m a frente e troquei a câmara (nota mental, remendar a câmara furada antes do próximo sábado). Depois disso eu, mais uma vez, caí por não ter conseguido “desclipar” do pedal. Para a minha sorte as duas vezes, em uma semana, que eu caí, foram na hora de parar e nada me aconteceu. Só paguei o mico. Mas isso é culpa minha que não regulei a pressão do pedal e nem lubrifiquei ele e saí para pedalar sabendo que o pé direito está difícil de soltar, etc. enfim, vou fazer o reparo essa semana e também acertar o ângulo que o meu pé no pedal direito, está muito prostrado para dentro e essa rotação do joelho está me incomodando.

Chegando em casa passei na concentração do pelotão de speeds para pegar mais umas informações sobre o percurso que eles fazem, onde é a chegada, etc. e me informaram que domingo (ontem, dia 25/08/2013) teria uma corrida na enseada de Botafogo.

Domingo fui ao Aterro do Flamengo assistir a Volta da Enseada de Botafogo.
Como eu já havia contato aqui, nunca assisti a uma corrida de ciclismo e sempre tive vontade de ir ver as bikes de perto, ver um grande pelotão andando junto, os sprints finais, etc. Não me decepcionei. Embora, claro, não era uma prova destinada a elite do ciclismo brasileiro, como vai ser o Tour do Rio que começa quarta-feira dia 28/08/2013, mas tinha muita gente, muita bike top para ver, ótimas corridas em todas as categorias com direito a fugas, nego torcendo o cabo nas chegadas, quedas, um pouco de desorganização claro e, acima de tudo, um clima agradável para ficar assistindo a prova bem de perto sem grades, etc.
Perto do meio dia acabou a última prova, elite masculina, vencida por uma fuga que começou na primeira volta com 3 ciclistas. O 4º lugar ficou com um gringo que chegou sprintando aos berros. Muito engraçado. Valeu a pena ter ido assistir, e agora vou ir sempre que tiver.

Era isso. Pedalados uns 35k no sábado e uns 10k no domingo, mas foi muito ciclismo mesmo, ainda fechei os dois dias do final de semana assistindo as etapas da La Vuelta 2013 que está passando na ESPN Brasil.

Publicado em bom de ver | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Bicicletário subterrâneo no Japão

Bicicletário subterrâneo.

Bicicletário subterrâneo.

Quando nós falamos que os japoneses são f0#@ (no bom sentido) não é para menos.
Um país que teve um severo pós-guerra e se reinventou só pode ser um país sério, um POVO sério. Não é a toa que nos chocamos com o nível de civismo de lá, de tecnologia, etc. Bem, brasileiro acha tudo chocante mesmo, basta ir para países vizinhos aqui mesmo na América LatRina que você já irá ver a diferença entre Uruguai, Argentina e Brasil.
Enfim. Eis que me deparo com esse vídeo de um bike parking no Japão. A parada é surreal!
Assistam, vale a pena admirar e sonhar em quando teremos algo desse tipo no Brasilsilsilsilsilsilsillllll…

http://www.youtube.com/watch?v=AKb0SsZopHc

Aqui mais detalhes: http://twistedsifter.com/2013/06/japan-automated-underground-bike-storage-giken/

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário